NOTÍCIAS

Governador Raimundo Colombo abre 27a. edição

  • 03/06/2014
  • Exposuper

Uma solenidade de abertura seguida de um painel especial de debates marcou a abertura oficial da 27ª. Edição da ExpoSuper – Feira de Produtos, Serviços e Equipamentos para Supermercados e Convenção Catarinense de Supermercadistas, na noite de segunda-feira (02.06) no auditório principal do Complexo Expoville.

A Mesa Diretora teve a participação do Governador SC, Raimundo Colombo, do Prefeito de Joinville, Udo Dohler, do Presidente da Associação Brasileira de Supermercados (Abras), Fernando Yamada, do Senador Paulo Bauer, do Deputado Federal Mauro Tebaldi, do Deputado Estadual Darci de Matos, do Presidente da Câmara de Vereadores de Joinville, João Carlos Gonçalves, da Secretária de Desenvolvimento Regional de Joinville, Simone Schramm, Airton Spiers, Secretário da Agricultura, Abastecimento e Pesca, do Presidente da Fiesc, Glauco Corte, do Presidente da Acij, Mário Cesar Aguiar, do Presidente da Fecomércio-SC, Bruno Breithaupt; Raulino Tiskoski, da Promotur de Joinville, Renato de Mello Vianna, diretor do BRDE; Sussumu Honda, Presidente do Conselho Deliberativo da Abras, Maria de Fátima Jesus, Presidente da Associação Tocantinense de Supermercados, Francisco Ratzk, representando o Ministério da Agricultura, Francisco Crestani e Atanázio dos Santos Netto, presidentes, respectivamente, do Conselho Deliberativo e da Diretoria Executiva da Associação Catarinense de Supermercados (Acats).

Após pronunciamentos do presidente da Acats, Atanázio dos Santos Netto, do Prefeito Udo Dohler, do Presidente da Abras, Fernando Yamada e do Governador Raimundo Colombo foi feita uma homenagem especial ao Presidente da Abras, Fernando Yamada. Ele recebeu a comenda de Mérito Supermercadista de Santa Catarina e o título de sócio honorário da Associação Catarinense de Supermercados (Acats).

 Logo após foi realizado um painel especial enfocando o varejo supermercadista e suas relações com a mídia, indústria e governo.

O Presidente Executivo do grupo de comunicação RIC em Santa Catarina, Marcelo Petrelli, abriu o painel mostrando a relação estreita que o segmento do varejo supermercadista tem com a mídia, principalmente considerando o aspecto regional. “Cerca de 80% dos clientes do varejo são empresas catarinenses e sediadas aqui e este é um fator que aproxima bastante a mídia dos empresários do setor”, disse Petrelli.

O Presidente da Fiesc, Glauco Corte, usou um exemplo bem prático para demonstrar que o segmento industrial está cada vez mais alinhado ao setor de serviços. “Um iPad tem do seu preço final apenas 7% referentes a custos com peças, o restante são licenças de tecnologia e demais serviços”.

- A linha demarcatória entre a indústria e o setor de serviços é cada vez mais tênue, assim como também é a sinergia entre o varejo e a indústria no que tange às reivindicações estruturais que são defendidas para proporcionar mais uma etapa de crescimento para o Estado e o País concluiu Glauco.

O Presidente da Abras, Fernando Yamada, traçou um perfil do segmento supermercadista brasileiro que projeta ultrapassar R$ 300 bilhões em faturamento no ano de 2014. Yamada enumerou as principais teses do Plano Abras Maior, uma agenda de relacionamento com órgãos governamentais que tem objetivo de destravar gargalos que impedem o crescimento do setor.

Yamada reafirmou a meta de 3% de crescimento este ano e conclamou a platéia para o Voto Consciente nas eleições  e a campanha “Voz Única”, que a Abras desenvolverá ao lado de outras seis entidades representativas do comércio e varejo brasileiros. Estas entidades representam um faturamento anual de R$ 897 bilhões com peso equivalente a 18,6% do PIB.

Ao encerrar o painel, o Governador de SC, Raimundo Colombo enalteceu os avanços do segmento supermercadista catarinense, após observar que o desempenho econômico é superior ao da média nacional até este primeiro quadrimestre de 2014.

- Os números de Santa Catarina nos dão orgulho, assim como outros indicadores em várias frentes de desempenho social e econômico. Santa Catarina é um modelo vitorioso de Estado e devemos lutar para preservá-lo – destacou.

Colombo disse que existe no momento uma crise ética e que a Sociedade está cansada e impaciente com a má qualidade do retorno em serviços públicos. “A classe política precisa dar resposta a esta cobrança”.